Sendo que o esquema dos burlões deve passar indetectável para evitar a sua identificação e, porque este se faz passar por outra pessoa, qualquer comunicação feita entre o burlão e a sua vítima, deverá ser feita através de canais que escondem a verdadeira identidade do burlão. As seguintes opções são bastante usadas:

Emails

Porque muitos serviços de emails não requerem qualquer informação válida, e também permitem a comunicação com várias vítimas num curto espaço de tempo, este é o método preferido dos burlões. Alguns serviços vão até mais longe, escondem o código IP do endereço do utilizador, fazendo o burlão passar completamente despercebido, mesmo no seu país de origem. Os burlões podem criar quantas contas quiserem, podendo acumular várias ao mesmo tempo.

Se os provedores de emails forem alertados sobre as actividades do burlão e suspenderem a conta, será uma questão banal para o burlão, este simplesmente cria uma nova conta para continuar com o esquema.

Contactos telefónicos

Muitos burlões utilizam as chamadas telefónicas para convencer que a pessoa do outro lado do negócio é real e de confiança. O burlão, normalmente retratando um cidadão português, americano ou de outra nacionalidade, ou sexo, outro para além do seu, irá apagar qualquer suspeita, ao telefonarem para a vítima. Nestes casos, os burlões usam  TRS, um serviço americano federal de transmissão, onde um operador, ou um programa de tradução de texto/ discurso actua como um intermediário usando um simples telefone, afirmando ter deficiência auditiva usando TDD ou outro aparelho de Teletype. A vítima levada pela simpatia de um utilizador debilitado, será mais susceptível à fraude.

É bastante fácil seguir uma transmissão telefónica, por isso os burlões preferem um serviço baseado na Internet. Numa estratégia comum, eles impõem o endereço IP num router ou server localizado em solo americano, permitindo-lhes assim o uso sem interferências.

TRS é por vezes utilizado para atrasar a informação do cartão de crédito, a fim de efectuar uma compra fraudulenta com um cartão de crédito roubado. Contudo, em muitos casos, é simplesmente um meio para o vigarista, atrair a vítima para o esquema.

Chamadas Anónimas

Veja também:

Transferência Bancária

Cheques falsos

Tentativas de burlas